Visão Zero: O que os ciclistas querem para os próximos 4 anos

Ontem, 01/12/2020 a Câmara Temática de Bicicleta (CTB) se reuniu com a Prefeitura pela última vez no ano. Em breve contaremos sobre a reunião e a compartilharemos o material que a Prefeitura apresentou (ainda não recebemos). Enquanto o material da Prefeitura não chega, compartilhamos a apresentação feita por conselheiros da CTB.

O conceito de Visão Zero defende que todas as mortes no trânsito são evitáveis. Ele se baseia em 4 pilares: infraestrutura, educação, fiscalização e punição. Seguindo o Visão Zero, os conselheiros Kristofer Willy, Sasha Hart e Thomas Wang apresentaram as principais demandas dos integrantes da CTB:

  • A volta da participação do prefeito nas reuniões da CTB, conforme previsto em regimento
  • A retomada de campanhas educativas da Prefeitura sobre a preferência de ciclistas e pedestres (com falas do prefeito)
  • Implantação de novas estruturas em vias onde há registros de atropelamentos e/ou forem sugeridas por ciclistas
  • Redução dos limites de velocidade em vias onde há registros de atropelamentos/colisões
  • Aumento na fiscalização para combater a impunidade
  • Alterar o uso do termo “acidente”, que consideramos inadequado e reforça a sensação de impunidade

Durante a apresentação foram citados casos de atropelamentos recentes como exemplos de mortes evitáveis. Esperamos que a Prefeitura considere nossas sugestões e incorpore-as no Plano de Segurança Viária, tanto na teoria quanto na prática.

A apresentação completa está abaixo e, para quem quiser fazer download, disponibilizamos em PDF aqui. Caso desejem utilizar o material, pedimos que entrem em contato conosco pelo Facebook ou Instagram para compartilharmos a versão em formato PPT.

(Equipes Bike Zona Sul e Bike Zona Oeste: Kristofer Willy, Sasha Hart e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Ciclovias do Rio Pinheiros: Como estão e o que queremos

As ciclovias existentes nas margens do Rio Pinheiros são essenciais para quem se desloca de bicicleta nas zonas Sul e Oeste, em especial para quem é do Extremo Sul. Pensando nisso, desde sempre o BZS luta por melhorias nas margens do Rio Pinheiros como mais acessos e mais segurança para ambas ciclovias.

Conhecida como Ciclovia Rio Pinheiros por ter sido inaugurada primeiro, a ciclovia da Margem Leste, foi concedida em foi concedida em maio de 2020. Ela ficou fechada cerca de 5 meses, e nós fizemos duas vistorias em julho, sendo que a ciclovia foi reaberta no início de agosto. Atualmente ela está sendo administrada pela Farah Service e possui um perfil no Instagram, por onde os ciclistas podem tirar dúvidas e sugerir melhorias,

Já a Ciclovia do Trabalhador, mais conhecida como Ciclovia da Margem Oeste, permanece sob responsabilidade do Governo do Estado, que recentemente lançou um edital para concessão de grande parte da Margem Oeste do Rio Pinheiros.

O Bike Zona Sul continua lutando para tornar ambas ciclovias mais acessíveis e mais seguras, por isso fez relatório sobre as ciclovias nas duas margens do Rio Pinheiros. Nosso trabalho começou em agosto, quando mapeamos todos acessos da Ciclovia da Margem Oeste, tanto oficiais quanto populares. Feito o reconhecimento fotográfico, criamos uma planilha com a localização e detalhes sobre todos acessos em ambas ciclovias.

Logo depois a expedição fotográfica e a planilha, convidamos o Bike Zona Oeste para nos ajudar. Após meses de trabalho, criamos o Relatório de Acessibilidade e Infraestrutura Cicloviária das Ciclovias nas margens do Rio Pinheiros. O relatório está disponível em PDF aqui.

Já compartilhamos o relatório com Alexandre Baldy, secretário de Transportes Metropolitanos, e com Michel Farah, o gestor da Ciclovia Rio Pinheiros/Margem Leste. Nos colocamos à disposição para dialogar, fazer sugestões e buscar melhorias para as duas ciclovias.

Para facilitar a leitura de todos, colamos o relatório abaixo. Está em texto para preservar os links.

Ciclovias das margens do Rio Pinheiros
Relatório de Acessibilidade e Infraestrutura Cicloviária

Este relatório tem como objetivo propor melhorias urgentes para a circulação de ciclistas para fins de mobilidade, logística, lazer, esporte e turismo nas margens do Rio Pinheiros, na cidade de São Paulo. Para isso, é necessário ampliar as ciclovias em ambas margens, assim como construir novos acessos e outras estruturas de apoio como guaritas e banheiros. Como qualquer intervenção no Rio Pinheiros e áreas próximas é complexa, buscamos reunir informações úteis para auxiliar o Governo do Estado de São Paulo e a Prefeitura do Município de São Paulo em projetos relacionados ao Rio Pinheiros.

Ciclovia Rio Pinheiros / Ciclovia da Margem Leste

Inaugurada em 2010, a ciclovia percorre a Margem Leste do Rio Pinheiros entre o número 830 da Rua Miguel Yunes e o Parque Villa-Lobos/Estação Villa-Lobos – Jaguaré da Linha 9 Esmeralda. Possui extensão total de 21,5 quilômetros. No caminho passa pelos bairros de Santo Amaro, Brooklin, Itaim Bibi, Pinheiros e Alto de Pinheiros.  

Em 2013 a ciclovia teve seu trajeto interrompido por conta das obras da Linha 17 do Metrô, ainda em andamento. O trecho entre a Estação Granja Julieta e a Ponte Octavio Frias de Oliveira (Estaiada) está bloqueado devido às obras. Para se deslocar entre as zonas Sul e Oeste os ciclistas precisam subir uma escada provisória na Ponte João Dias, atravessá-la desmontados e descer por outra escada provisória na Ciclovia da Margem Oeste para continuar o trajeto, onde só conseguem atravessar de volta para a Margem Leste na Ponte Cidade Jardim, por meio de uma terceira escada provisória. Nas escadas há pequenas rampas adaptadas para bicicletas, porém elas são inadequadas para alguns tipos de bicicleta e o ângulo/dimensões da escada são ruins para a maioria dos ciclistas. Além disso, o estado de conservação das escadas é precário pois elas já estão ali há cerca de 7 anos.

Segundo o site da CPTM, atualmente existem 6 acessos oficiais:

Ressalta-se que o acesso da Passarela da EMAE é através de escadaria com trilho, portanto inacessível para muitas pessoas, como handbikers e adultos com crianças em cadeirinha. É recomendável que seja construída uma rampa com melhor acessibilidade, nos moldes do Parque do Povo ou da Ponte Laguna. 

Há diversos projetos de acessos já aprovados e anunciados, com verba de diferentes origens:

  • Estação Villa-Lobos-Jaguaré, via CPTM (suspenso)
  • Ciclopassarela Bernardo Golfarb (rebatizada com Ciclopassarela Marina Harkot), via Operação Urbana Consorciada Faria Lima (falta licitação da obra)
  • Ciclopassarela Berrini-Panorama, via Operação Urbana Consorciada Faria Lima (falta licitação do projeto executivo e obra)
  • Estação Morumbi, via CPTM (falta finalizar a obra)


Outros problemas na Margem Leste

  • Falta de iluminação 
  • Conflito com automóveis (em direção contrária ao preconizado pelo Código de Trânsito Brasileiro) 
  • Conflito com ciclistas em alta velocidade 
  • Horário restrito 

Demandas específicas

  • Construção urgente dos novos acessos mencionados acima, em paralelo
  • Adequar o fluxo conforme preconizado pelo Código de Trânsito Brasileiro
  • Inibir abusos de velocidade e comportamentos abusivos, sobretudo em locais mais perigosos e em horários de maior movimento de ciclistas menos experientes 
  • Instalar iluminação
  • Estender horário de uso
Ciclovia do Trabalhador / Ciclovia da Margem Oeste

Começa no Largo do Socorro, percorre a Margem Oeste do Rio Pinheiros e acaba na Ponte Cidade Jardim. Possui extensão de 12 quilômetros e passa pelos bairros do Socorro, Guarapiranga, Capão Redondo, Panamby, Morumbi e Butantã.

Atualmente existem 6 acessos oficiais:

É importante destacar que, além dos acessos acima, existem ‘acessos populares`. Esses acessos foram criados por usuários de forma extraoficial, mas atualmente são usados:

Além disso, há 4 acessos previstos, com verba de diferentes origens:

Outros acessos desejados na Margem Oeste

Outros problemas na Margem Oeste

  • Falta de iluminação
  • Falta de policiamento e outras medidas para melhorar a segurança 
  • Falta de transposições para Margem Leste
  • Falta de conexão com as infraestruturas próximas:
    • Av. Luiz Gushiken/Guido Caloi
    • R. Dr. José Augusto de Queiroz/Jóquei Clube
    • R. Agostinho Cantu/rede USP-Estação Butantã

Demandas específicas

  • Construção dos novos acessos mencionados acima, sobretudo a  ciclopassarela Berrini-Panorama, na Av. Guido Caloi, Ponte Guarapiranga, Ponte do Morumbi (transposição pela ponte antiga e acesso pela ponte nova)
  • Extensão da ciclovia pelo Rio Guarapiranga pela estrada abandonada (já asfaltada)
  • Transposição na Estação Sto. Amaro
  • Instalar iluminação
  • Ter policiamento e outras medidas para melhorar a segurança 
  • Melhorias nos acessos existentes (substituir escadas por rampas pedaláveis como a do Parque do Povo)

A planilha com a lista completa de acessos e detalhes sobre as condições está disponível de forma pública aqui.

Encaminhamentos

O potencial das margens do Rio Pinheiros para o uso de bicicleta é evidente e indiscutível, tanto para a mobilidade quanto para o lazer. Ambas margens possuem espaço suficiente para a ampliação das ciclovias existentes, assim como para a construção de novos acessos, novos pontos de apoio, espaços de lazer (como quadras, mirantes, etc) e também espaços comerciais (como cafeterias, lanchonetes, bicicletarias, etc). Para que as margens do Rio Pinheiros atinjam seu potencial e se tornem um novo espaço de lazer, cultura e mobilidade, é necessário que sejam construídos mais acessos. 

Ampliar a acessibilidade e melhorar as condições nas ciclovias existentes é um ponto fundamental, pois permitirá o melhor uso do espaço pela população e a sua transformação a médio e longo prazo. As ciclovias são ferramentas para ocupação e uso do espaço, se tornando base para futuros projetos, incluindo o parque linear do Rio Pinheiros ali, conexão ao norte com uma futura ciclovia na Marginal Tietê e ao sul com a ciclovia Rota Márcia Prado. O uso das ciclovias já é intenso e crescente, com potencial enorme para as pessoas da cidade de São Paulo e do seu entorno.

Os coletivos Bike Zona Sul e Bike Zona Oeste continuam à disposição do Governo do Estado e da Prefeitura para dialogar de forma construtiva, buscando melhorar a acessibilidade, qualidade e segurança em ambas as ciclovias. 

(Equipes Bike Zona Sul e Bike Zona Oeste: Fernando de Abreu, Kristofer Willy, Marivaldo Lopes, Paulo Alves, Sasha Hart, Simone Penninck e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Ghost bike para Joab reúne ciclistas, parentes, amigos e companheiros de trabalho na Jacu-Pêssego

No sábado passado (21/11), estivemos na instalação da ghost bike de Joab Xavier, na Av. Jacu-Pêssego, Zona Leste. A bicicletada em homenagem à Joab foi organizada pelo Bike Zona Leste com o apoio do Bike Zona Sul, Bike Zona Oeste e Bike Zona Norte.

Joab foi atropelado no dia 04/11, quando ia para o trabalho, na região de São Mateus. Segundo colegas de trabalho, Joab fazia o mesmo trajeto todos os dias, independente do horário e do clima, sempre de bicicleta. Alguns já haviam falado sobre o risco de ir de bicicleta na região, mas Joab insistia pois queria economizar o dinheiro do transporte para dar melhores condições para sua família.

A região de São Mateus, onde Joab foi morto, possui poucas ciclovias/ciclofaixas e ainda não está conectada ao restante da rede. Recentemente a Prefeitura iniciou a sinalização de uma ciclofaixa em um trecho da Av. Jacu-Pêssego, porém o local onde Joab foi atropelado não terá ciclovia. Se a Prefeitura tivesse feito uma ciclovia por toda avenida, talvez Joab estivesse vivo. Porém, a demora do poder público em agir permitiu que o atropelamento acontecesse e uma família ficasse sem pai.

Mapa da região mostra que faltam ciclovias (CET)

Cerca de 60 ciclistas de todas regiões e até do ABC estiveram presentes para homenagear Joab, assim como grupos de pedal como o Pedala Itaquera e as Magrelas Aladas. Junto aos ciclistas estavam parentes, amigos e colegas de trabalho em Joab, que participaram em carros e motos. O cortejo foi escoltado pela Polícia Militar desde a Estação São Mateus (Metrô Linha 15 Prata).

Ciclistas se reúnem na Estação São Mateus (Thomas Wang/Bike Zona Sul)

A primeira parada foi a empresa Costa Lavos, onde Joab trabalhava. Para homenagear Joab, os companheiros de trabalho colocaram os caminhões em fila, de frente para o cortejo. Durante o tempo que ficamos lá, colegas de trabalho fizeram discursos falando de Joab e contando um pouco sobre ele. Nas palavras de Chaliton Trajano: “Joab era um companheiro, a gente tomava café junto todo dia e ele era como um irmão, ele era da família Costa Lavos”. Após as falas dos companheiros de trabalho, foi feita uma longa salva de palmas e gritos de “Joab presente” e “Justiça”. Na sede da empresa a Polícia permitiu que o grupo ocupasse 2 das 3 faixas da avenida.

Grupo se reúne no local onde Joab trabalhava. (Simone Penninck/Bike Zona Oeste)

Saindo da empresa, o cortejo se dirigiu para a Avenida Jacu-Pêssego, local do atropelamento. A princípio os ciclistas tentaram utilizar 3 das 5 faixas da avenida, mas a Polícia permitiu somente o uso de 2. Com essas 2 nos reunimos para realizar a homenagem.

Ciclistas, familiares e amigos param no local do atropelamento (Simone Penninck/Bike Zona Oeste)
Ciclistas preparam a ghost bike no local do atropelamento. (Thomas Wang/Bike Zona Sul)

Membros do Bike Zona Sul e Bike Zona Leste retiraram a bicicleta da caçamba da caminhonete e começaram a desmontá-la e pintá-la. Moab, irmão de Joab, e Fabio, cunhado, participaram da pintura da bicicleta fantasma (ghost bike).

Após ciclistas desmontarem a bike, o irmão e o cunhado de Joab pintaram a ghost bike de branco. (Simone Penninck/Bike Zona Oeste)

No local do atropelamento ciclistas, parentes e amigos desenharam bicicletas, pediram ciclovias e escreveram o nome de Joab no asfalto. Durante a pintura foi explicado o significado da ghost bike, de homenagear o ciclista morto. Familiares pediram que todos se reunissem para orar um “Pai Nosso”, todos juntos, mesmo que cada um à sua maneira. Novamente, foram feitas várias salvas de palmas e vários gritos pedindo justiça. Ciclistas relembraram lemas como “Vai ter ciclovia na Paulista e na periferia”, “Mais amor, menos motor” e “Não foi acidente”. Também foram gritados “Justiça para Joab” e “Joab presente”.

Ghost bike secando com desenho de bicicleta e nome de Joab escrito no local onde ele foi morto. (Thomas Wang/Bike Zona Sul)
Faixas e frases pedindo por justiça para Joab e mais ciclovias. (Thomas Wang/Bike Zona Sul)

Após a ghost bike ser fixada no poste próximo do local do atropelamento de Joab, os familiares agradeceram a homenagem e reforçaram que não vão deixar de buscar justiça para Joab. Membros dos coletivos de ciclistas se comprometeram a cobrar a Prefeitura para que ela instale de uma ciclovia no local. Ao final da homenagem, os cortejo se dividiu em grupos menores para estações do Metrô e da CPTM próximas.

Ciclista coloca faixa junto da ghost bike (Sergio Telles/Pedala Itaquera)
(Simone Penninck/Bike Zona Oeste)

Uma ciclovia nesse trecho da Jacu-Pêssego poderia ter salvado Joab. Assim como uma ciclovia da Rua dos Trilhos poderia ter salvado Lucas. Não podemos aceitar atropelamentos de ciclistas por falta de ciclovias ou desrespeito às leis de trânsito. Todo ciclista importa, em todas regiões da cidade, seja em bairros nobres ou na periferia.

Sabemos que o trânsito de São Paulo é violento, mas também sabemos que ciclovias diminuem as mortes de ciclistas, então por que a Prefeitura demora tanto para fazer ciclovias?

Precisamos de ciclovias para proteger pessoas e evitar mortes. Precisamos de ciclovias para que São Paulo seja mais segura e humana.

#JusticaPorJoab  #NaoFoiAcidente #BastaDeMortesNoTransito

(Equipes Bike Zona Sul, Bike Zona Leste, Bike Zona Oeste e Bike Zona Norte / Colaboraram Pedala Itaquera e Magrelas Aladas)


#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe

Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Eleições: vote em candidatos que apoiam os ciclistas!

Nos últimos 15 dias, 3 ciclistas foram atropelados e mortos. Os 3 motoristas que mataram continuam soltos. Pior que isso, entre 2019 e 2020 as mortes de ciclistas aumentaram 64% em São Paulo. Durante esse período, foram feitos apenas 24km dos 174km de novas ciclovias/ciclofaixas prometidas pelo prefeito Bruno Covas (PSDB).

O atropelamento e morte de Marina Harkot nos lembra que a maioria dos ciclistas está em perigo, principalmente pela falta de ciclovias e pela imprudência de motoristas. Com isso em mente, o Bike Zona Sul decidiu divulgar alguns candidatos que se comprometeram com a mobilidade de bicicleta e assinaram a Carta dos Coletivos Regionais de Ciclistas.

A carta foi escrita em conjunto pelo Bike Zona Sul, Bike Zona Leste, Bike Zona Norte e Bike Zona Oeste. Ela apresenta 5 demandas principais, que o candidato/a concorda ao assinar:

  1. Ampliar a rede cicloviária, atingindo no mínimo 1200 km de ciclovias/ciclofaixas e conectando todas as 32 Subprefeituras, todas com padrão de qualidade e adequadas às características viárias; 
  2. Regulamentar o BikeSP – Lei 16.547/16, aprovada pela Câmara Municipal em 2016 que remunera diretamente os trabalhadores e estudantes que utilizam a bicicleta, fazendo a distribuição de renda, movimentando o comércio local, principalmente na periferia, e melhorando a saúde das pessoas; 
  3. Valorizar os ciclo entregadores e dar condições justas para eles trabalharem;
  4. Realizar campanhas de conscientização e ações de fiscalização efetivas, em linha com a política de segurança viária Visão Zero
  5. Instalar bicicletários com controle de acesso nos terminais da SPTrans e dotar de controle de acesso os bicicletários existentes que ainda não possuem.

Ao assinar a Carta, os candidatos/as também se comprometem com o fortalecimento da Câmara Temática de Bicicleta (CTB) do Conselho Municipal de Trânsito e Transportes. Isso quer dizer que, quando eleitos, os candidatos vão atender as demandas da CTB, assim como retomar as reuniões regionais de ciclistas. Essas reunióes são importantes pois possibilitam conversas mais objetivas entre os ciclistas de uma região, vizinhos e o poder público.

Neste domingo, vote em um candidato que se comprometeu com os ciclistas! Para facilitar, fizemos a lista dos candidatos que assinaram a Carta dos Coletivos de Ciclistas:

Candidatos a vereador/a

Candidatos a prefeito/a

Há candidatos que não se comprometeram diretamente com os coletivos de ciclistas, mas se comprometeram com Campanha Mobilidade Sustentável em São Paulo, você pode ver todos no site: mobilidadenaseleicoes.org.br/saopaulo/quem-aderiu/ .

BÔNUS: Veja como se preparar para a eleição!

(Equipe Bike Zona Sul: Kristofer Willy, Marivaldo Lopes, Lucian De Paula, Paulo Alves e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe




Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Pedale em paz, Marina Harkot

Ciclistas no velório da Marina. (Thomas Wang/BZS)

A sensação estranha de ter pedalado com um misto de sentimentos. Dor, tristeza, angústia, impotência, indignação, revolta… Tudo isso misturado. Perdemos uma amiga, uma irmã, uma companheira do pedal. Marina Harkot era uma amiga de todos, uma pessoa sempre de bem com a vida, daquelas que fazia todos sorrirem quando ela chegava.

Marina Harkot ao ser eleita representante dos ciclistas no Conselho Municipal de Transporte e Trânsito (CMTT)

Marina tinha 28 anos, uma pesquisadora da USP com mestrado, boas ideias e um futuro brilhante pela frente. Tudo isso deixou de importar no sábado de noite, quando ela foi morta por um motorista que a atropelou e fugiu, deixando ela ferida e sozinha na Av. Sumaré, na Zona Oeste. Não vamos entrar no debate sobre o que aconteceu porque não temos as informações. Mas sabemos que nossa amiga foi atropelada e abandonada por um motorista covarde, que não teve a decência de parar e ligar para o resgate. Um imprudente que fugiu sem prestar socorro.

Ciclistas se dirigem ao local do atropelamento (Thomas Wang/BZS)

Perder alguém querido nunca é fácil. Perder uma pessoa animada como a Marina é pior ainda. Marina é a terceira ciclistas morta em São Paulo em menos de 15 dias:

Nesses atropelamentos, famílias que são destruídas. Para João e Marina, os últimos momentos foram solitários. Fico angustiado quando penso neles no chão, sozinhos. Um motorista (ou qualquer ser humano) que abandone uma pessoa que acabou de machucar é um covarde.

Todos os dias ciclistas ouvem insultos e levam finas de motoristas imprudentes e irresponsáveis como esses. Infelizmente muitos motoristas ainda acham que as ruas são para os carros (ou para quem tem um motor). Mas não são. As ruas são de todos: pedestres, ciclistas, motociclistas, patineteiros, skatistas, motoristas, passageiros… Nossa cidade precisa de ruas inclusivas, de ruas seguras, de ruas humanas.

A bicicleta não é apenas um hobby ou esporte, ela é também é um meio de transporte e uma ferramenta de transformação. Precisamos enxergar os ciclistas, assim como os pedestres, de forma prioritária. Não podemos nos contentar com o mínimo para os mais frágeis (como aquele farol de pedestres que abre por menos de 5 segundos para o pedestre atravessar ou aquela ciclofaixa que praticamente só tem sarjeta e bueiros). As ruas devem ser reformadas para atender as pessoas. Se isso vai diminuir espaço ‘dos carros’ nas ruas, que seja. Precisamos de calçadas e ciclovias largas e lisas, precisamos de travessias elevadas (“lombofaixas”), precisamos de ilhas de pedestres, precisamos de calçadas ampliadas nas esquinas. Precisamos de fiscalização nas ruas. Precisamos transformar nossa cidade para que ela seja ocupada por pessoas, e não motores.

No próximo domingo, 15/11, teremos eleições para prefeito e vereador. Você sabe se o seu candidato defende a implantação de mais ciclovias e ciclofaixas? Não importa o partido e a orientação política, a bicicleta é apartidária. Fazer ciclovias, calçadas, fiscalizar e punir motoristas infratores… Tudo isso melhora a segurança e a qualidade de vida de todos nós. Então vote em um candidato que apoia uma cidade mais humana e mais sustentável. Com certeza Marina iria votar em um candidato/a que defendesse uma cidade mais inclusiva. Ela acreditava na mudança e na humanidade.

Assim como Julie e Igor, Marina é mais uma amiga que se vai. Morta pela violência do trânsito. Tirada de nós subitamente, sem um último abraço ou beijo. Com uma despedida fria e dolorosa. Mas que a dor se transforme em luta. Pois é o que cada um deles faria: continuaria lutando por todos nós.

Marina, Julie, Igor, Lucas e João Xavier. Que esses nomes não sejam esquecidos e que vocês não se tornem dados frios numa planilha ou apresentação da Prefeitura ou Governo. Vocês são nossas estrelas, que nos guiarão nas lutas que virão.

Como diz nosso amigo Alex Gomes, no Estadão: “Por você, Marina, continuaremos lutando pelas coisas bonitas dessa vida, como ver mais gente ocupando a cidade com música e gargalhadas. Queremos ruas que acolham tanto quem caminha a passos rápidos, como quem precisa de bengalas ou quem engatinha.

Nunca te esqueceremos Marina, e por sua história pedalaremos ainda mais.

Homenagem deixada na via onde Marina foi atropelada. (Paulo Alves/BZS)
Homenagem próxima do local onde Marina foi morta. (Paulo Alves/BZS)
Ciclistas próximos ao local do atropelamento. (Thomas Wang/BZS)

#NaoFoiAcidente #BastaDeMortesNoTransito #JusticaPorMarina #MarinaPresente

(Equipe Bike Zona Sul: Carla Moraes, Kristofer Willy, Marivaldo Lopes, Lucian De Paula, Paulo Alves, Taiana Dutra e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe




Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Como abaixo-assinados podem criar ciclovias

No final de 2013 o Bike Zona Sul criou o primeiro abaixo-assinado de sua história, que pedia uma ciclovia na Avenida Paulista. Após a ajuda de mais de 20.000 pessoas, fomos recebidos pelo prefeito Fernando Haddad (PT), que se comprometeu a construir essa importante ciclovia. Na Paulista, antes da ciclovia, passavam cerca de 977 ciclistas por dia. No mês seguinte a construção da ciclovia o número de ciclistas subiu para 2112 pessoas. Menos de 1 mês depois, já havia mais que o dobro de ciclistas.

Após o primeiro abaixo-assinado ser atendido, criamos outros. O único atendido na época foi o da Rua da Consolação. Essa ciclofaixa foi criada após muita pressão dos ciclistas sobre a Prefeitura e o Ministério Público, que tentou impedir a implantação das ciclovias e ciclofaixas. Felizmente a Justiça teve bom senso e permitiu que a Prefeitura retomasse as obras. Outra petição que fizemos na época foi a da ciclovia da Rua Domingos de Morais, entregue pela Prefeitura recentemente.

Infelizmente vários ainda não foram atendidos e as ciclovias ainda não existem:
Rua Luis Góischange.org/CicloviaNaLuisGois
Rua Pedro de Toledochange.org/CicloviaNaPedroToledo
Av. Santo Amarochange.org/ciclovianasantoamaro
Ponte Eusébio Matosochange.org/ciclovianaeusebiomatoso
Rota Márcia Pradochange.org/governo-de-sp-pelo-cumprimento-da-lei-rota-marcia-prado

Abaixo-assinados como esses mostram que há mais pessoas apoiando a construção de infraestrutura cicloviária e ajudam a pressionar a Prefeitura e o Governo do Estado. Por isso é importante que cada um de nós assine e compartilhe petições a favor de mais ciclovias.

Enquanto as novas ciclovias e ciclofaixas não são sinalizadas os ciclistas continuam em perigo. Quem pedala sabe, pedalar numa ciclovia ou ciclofaixa é bem mais seguro. Vamos cobrar o prefeito Bruno Covas e todos os candidatos para que eles se comprometam a fazer novas ciclovias!

(Equipe Bike Zona Sul: Kristofer Willy, Marivaldo Lopes, Lucian De Paula, Paulo Alves e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Carta dos Coletivos Regionais de Ciclistas para candidatas e candidatos em São Paulo

A carta está disponível em: https://drive.google.com/file/d/1GJqcqwSuL2O-MNLJx53w81nMCONDGlG5/view?usp=sharing .

(Equipes Bike Zona Sul, Bike Zona Oeste, Bike Zona Leste e Bike Zona Norte)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe



Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Relato da reunião técnica da CTB com a Prefeitura – 05/10/2020

No dia 05/10/2020 os conselheiros da Câmara Temática de Bicicleta do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte se reuniram virtualmente com funcionários da Prefeitura, Secretaria de Mobilidade e Transportes (SMT) e Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Participaram ciclistas de todas regiões da cidade, dos coletivos regionais (BZS, BZLBZO e BZN) e imprensa especializada (Renata Falzoni e Rogério Viduedo).

A secretária Elisabete França manteve seu posicionamento informando que os 174 quilômetros serão entregues conforme acordado. Segundo foi apresentado, foram entregues 24,6 km de ciclofaixas/ciclovias e há 49,2 km em obras:

Ou seja, 73,9 km estão em andamento:

Desses, 34,9 km são contatos da SMT executados pela Secretaria Municipal de Subprefeituras (SMSUB):

Vias com ciclofaixas sendo implantadas pela SMSUB (21,5km) e previsões de entregas.
Vias com ciclofaixas implantadas pela SMSUB (13,5km).

Já sobre as licitações da Secretaria de Mobilidade e Transportes, foi informado que a SMT fez reuniões com o Tribunal de Contas do Município (TCM) para sanar dúvidas e enviou as respostas solicitadas pelo TCM, que precisa avaliar e retornar.

Slides enviados pelo TCM para a SMT (parte 1).
Slides enviados pelo TCM para a SMT (parte 2).
Slides enviados pelo TCM para a SMT (parte 3).

Além dos 34,9km contratados pela SMT e executados pela SMSUB, a SMSUB também é responsável por contratar e executar outros 68km de ciclofaixas:

Desses 68km, menos da metade está em andamento: 20,7km em obras e apenas 7,5km foram entregues.
Ciclofaixas sendo implantadas pela SMSUB: 28,2 km.

Parte das novas ciclovias/ciclofaixas prometidas para 2020 será feita pela parceria público-privada (PPP) da Habitação:

Vias que receberão ciclovias/ciclofaixas pela PPP da Habitação, totalizando 29km.

Sobre as ‘requalificações’ (que na prática são manutenções) Prefeitura informou que já foram concluídos 151 km e há outros 25,2 km em andamento:

[Disponibilizamos a apresentação completa aqui]

Estamos em outubro e apenas 24,6km de novas ciclovias/ciclofaixas foram entregues, sendo que há 49,5km em obras… No total , temos apenas 74,1km dos 173,4km em obras! Isso quer dizer que as obras nem começaram para 100 km das ciclovias e ciclofaixas previstas para 2020.

O prefeito Bruno Covas (PSDB), que é candidato a reeleição, prometeu fazer 173,4 km de novas ciclovias e ciclofaixas, porém até agora menos da metade está em obras!

Nós esperamos que a meta seja cumprida e continuaremos dialogando, pois nosso objetivo é melhorar a segurança para os ciclistas. Questionamos sobre as obras em várias regiões da Zona Sul como a Av. Roberto Marinho, R. Neto de Araújo, R. Pedro de Toledo, R. Itapaiúna, R. Pedro Bueno e tantas outras importantes para a Zona Sul, porém as respostas não trazem previsões sobre a implantação da maioria das estruturas.

Enquanto isso, ciclofaixas removidas na surdina continuam apagadas (como a Amarilis apagada em 2017!), as poucas da periferia estão sumindo por falta de manutenção e há pouquíssimas estruturas previstas para as periferias… E no Extremo Sul existem apenas três previstas: Av. Carlos Caldeira, R. Miguel Yunes e R. Itapaiúna até a Ponte Laguna, mas as obras não começaram em nenhuma delas!

Continuaremos cobrando o poder público e fazendo sugestões, mesmo que muitas vezes a Prefeitura não nos ouça. Não vamos parar até que todos ciclistas possam se deslocar com segurança!

(Equipe Bike Zona Sul: Kristoffer Willy, Lucian De Paula, Paulo Alves e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
Facebook: www.facebook.com/bikezonasul
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/clubs/bikezonasul

Assine a petição pela ciclofaixa da Rua Pedro de Toledo!

O prefeito Bruno Covas prometeu implantar 174 km de novas ciclovias e ciclofaixas em São Paulo até o final de 2020, mas por enquanto menos de 20 km foram sinalizados. Há várias obras de recapeamento do asfalto, porém pouquíssimas dessas obras já contam com sinalização das novas ciclofaixas. 

Uma das obras mais atrasadas é a da Rua Pedro de Toledo, na Vila Clementino. Segundo a CET, nem o projeto da ciclofaixa foi feito. Essa ciclofaixa foi a mais votada na oficina participativa/workshop do Plano Cicloviário 2019-2020 e está no Mapa de Infraestrutura Cicloviária da CET:

Na última reunião da Câmara Temática de Bicicleta, a CET afirmou que ainda não possui projeto para essa importante ciclofaixa. Segundo eles, a Rua Pedro de Toledo não poderia contar com ciclovia pois possui a Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), com seu hospital universitário, e o Hospital São Paulo. Entretanto, a própria UNIFESP já entregou ofícios solicitando a criação da ciclofaixa na Rua Pedro de Toledo, pois funcionários e alunos usam a bicicleta como meio de transporte. 

Por conta dessa falta de ação por parte da Prefeitura, um dos editores do Bike Zona Sul que trabalha e mora na região decidiu criar um abaixo-assinado para cobrar a CET: www.change.org/CicloviaPedroDeToledo  . Assine e compartilhe, vamos exigir que a CET implante a ciclofaixa da Rua Pedro de Toledo!

A ciclofaixa da Rua Pedro de Toledo em um trajeto muito importante pois vai conectar a ciclovia da Domingos, 4 estações de Metrô, a UNIFESP, o Hospital São Paulo, passar por cima da Av. 23 de Maio, Hospital da AACD, Hospital do Servidor Público Estadual, conectar a ciclovia da Ascendino Reis, e seguir até o Parque do Ibirapuera, que se conecta com a ciclovia da Hélio Pellegrino. Ou seja, ela atende todos os critérios de planejamento que a CET estabeleceu:

  • Intermodalidade com eixos de transportes públicos
  • Alta demanda
  • Viabilidade
  • Conexão com ciclofaixas existentes
  • Redução de acidentes

Além disso, a praça da estação Santa Cruz é um espaço que concentra centenas de ciclo entregadores, que são parte dos serviços essenciais durante a pandemia. Eles não têm nenhuma rota mais direta e segura do que a rua Pedro de Toledo para ir da Vila Clementino até Moema, e de lá para a Faria Lima, duas áreas onde há muita demanda. Esses trabalhadores são muito importantes e precisam ser protegidos. Eles precisam que a CET entregue a ciclovia da Pedro de Toledo e muitas outras previstas para que possam continuar trabalhando com segurança.

A ciclofaixa nessa rua conectaria diversas escolas e faculdades, que têm investido para receber alunos, professores e funcionários que chegam de bicicleta. A UNIFESP, por exemplo, cujo campus de ciências médicas entende os benefícios da bicicleta para a saúde, recentemente publicou um Chamamento Público para a instalação de novos paraciclos para atender a demanda.

Essa estrutura também atenderia diversos hospitais da região, facilitando as vidas de médicos, enfermeiros e funcionários que vão trabalhar de bicicleta, assim como as vidas de vários pacientes que não possuem dificuldades de locomoção, o que liberaria estacionamento para aqueles que têm dificuldades de locomoção ou necessidades especiais. Implantar a ciclofaixa é uma medida de saúde pública, que reduz o número de atropelamentos e vítimas, e que melhora o sistema cardiovascular, reduzindo doenças crônicas ligadas ao sedentarismo como sobrepeso, hipertensão, diabetes, e outras, aliviando a carga de trabalho do SUS.

A ciclovia também seria boa para o comércio local, já que frequentemente cruzamos com as bicicletas de entrega próprias de restaurantes e padarias da Vila Clementino.

Por isso queremos que a CET respeite os desejos da população e entregue essa ciclovia que é exigida há anos e foi considerada a principal prioridade nas oficinas do Plano Cicloviário da Vila Mariana! Por uma São Paulo mais segura, mais móvel e mais saudável! Queremos a ciclovia da Pedro de Toledo!

Assine e compartilhe a petição:
www.change.org/CicloviaPedroDeToledo

(Equipe Bike Zona Sul: Lucian De Paula e Thomas Wang)

#BikeZonaSul#VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
Facebook: www.facebook.com/bikezonasul
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/clubs/bikezonasul

Nova ciclofaixa da Neto de Araújo vai conectar a Vergueiro, Dionísio da Costa e Ricardo Jafet!

Essa é uma análise rápida pois o trecho é bem curto, com cerca de 600 metros. A nova ciclofaixa ficará na Rua Neto de Araújo, próxima à Estação Vila Mariana.

Na imagem abaixo temos as ciclofaixas existentes em vermelho e as prometidas para 2020 em roxo, das quais temos duas em estágios finais das obras: a Avenida Ricardo Jafet e a Rua Domingos de Morais. As duas são importantes para a Zona Sul pois conectam estruturas existentes e permitem o deslocamento seguro em vias que possuem tráfego pesado e são rotas primárias para ciclistas pois são planas e retas.

Atualmente, as duas estruturas implantadas e as demais na região não estão conectadas pois faltam trechos entre elas, como fica claro no centro do mapa, onde existe a ciclofaixa da Rua Dionísio da Costa, porém ela não se conecta à da Rua Vergueiro.

BZS

A ciclofaixa da Rua Neto de Araújo fará essa conexão, além de fornecer uma rota para a futura ciclofaixa da Av. Engenheiro Luís Gomes Cardim Sangirardi, que irá em direção à Aclimação.

Apesar de a nova ciclofaixa ser bem-vinda, o projeto deixa a desejar pois a conexão não será completa. No projeto não há indicações de que as travessias entre a futura ciclofaixa e as ciclofaixas existentes serão sinalizadas.

Não está prevista sinalização entre a ciclofaixa da Rua Vergueiro e a futura ciclofaixa da Neto de Araújo:

BZS

Essa travessia precisa ser conectada para que os ciclistas que usam a Vergueiro saibam que existem ciclofaixas por dentro do bairro e possam acessá-las com segurança. Da mesma forma, os ciclistas que vierem pela Neto de Araújo precisam conseguir acessar a ciclofaixa da Rua Vergueiro de forma direta e segura.

BZS1

BZS1

Após passar pela futura ciclofaixa da Rua Neto de Araújo, o ciclista se encontra no cruzamento com a Av. Lins de Vasconcelos, que também não terá conexão sinalizada:

BZS

BZS1
Ponto de vista do ciclista que vier da Rua Vergueiro em direção à R. Calixto da Mota/Dionísio da Costa pela R. Neto de Araújo. (Google)

A ausência de uma conexão sinalizada entre as duas ciclofaixas é ruim pois deixará os ciclistas expostos em um cruzamento movimentado, onde cada via de acesso possui sua regra, há ônibus circulando em diferentes sentidos e uma ciclofaixa pode não ser visível a partir da outra (e vice-versa).

BZS1
Rota do ciclista que vier pela Dionísio da Costa/Calixto da Mota para a Neto de Araújo no sentido R. Vergueiro/Paraíso. (Google)

A Rua Neto de Araújo possui um potencial muito bom para conectar as estruturas existentes nas ruas Vergueiro e Calixto da Mota/Dionísio da Costa, porém sem a sinalização nos cruzamentos parte desse potencial se perde.

É nos cruzamentos que a maioria dos atropelamentos e colisões acontece, por isso é necessário sinalizar todas travessias e realizar acalmamento de tráfego nesses trechos. Infelizmente, esse projeto não prevê sinalização nem acalmamento de tráfego nos dois cruzamentos onde a futura ciclofaixa vai se conectar às duas existentes.

Sem a sinalização das travessias, ciclistas iniciantes e mais frágeis (como crianças e idosos) vão se sentir inseguros e podem acabar sendo atingidos por veículos motorizados. É necessário que as travessias sejam sinalizadas, trazendo mais segurança para todos.

Esperamos que a CET inicie a sinalização da ciclofaixa da Rua Neto de Araújo (e dos demais 174 km prometidos), assim como sinalize as travessias de ciclistas nos dois cruzamentos citados.

E não perca: no dia 04/09, às 20h, o Bike Zona Sul fará uma live para debater o andamento das obras cicloviárias em São Paulo! Você poderá participar ao vivo comentando e enviando perguntas pelo nosso Youtube e Facebook!

(Equipe Bike Zona Sul: Kristofer Willy, Paulo Alves e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
Facebook: www.facebook.com/bikezonasul
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/clubs/bikezonasul