Pedale em paz, Marina Harkot

Ciclistas no velório da Marina. (Thomas Wang/BZS)

A sensação estranha de ter pedalado com um misto de sentimentos. Dor, tristeza, angústia, impotência, indignação, revolta… Tudo isso misturado. Perdemos uma amiga, uma irmã, uma companheira do pedal. Marina Harkot era uma amiga de todos, uma pessoa sempre de bem com a vida, daquelas que fazia todos sorrirem quando ela chegava.

Marina Harkot ao ser eleita representante dos ciclistas no Conselho Municipal de Transporte e Trânsito (CMTT)

Marina tinha 28 anos, uma pesquisadora da USP com mestrado, boas ideias e um futuro brilhante pela frente. Tudo isso deixou de importar no sábado de noite, quando ela foi morta por um motorista que a atropelou e fugiu, deixando ela ferida e sozinha na Av. Sumaré, na Zona Oeste. Não vamos entrar no debate sobre o que aconteceu porque não temos as informações. Mas sabemos que nossa amiga foi atropelada e abandonada por um motorista covarde, que não teve a decência de parar e ligar para o resgate. Um imprudente que fugiu sem prestar socorro.

Ciclistas se dirigem ao local do atropelamento (Thomas Wang/BZS)

Perder alguém querido nunca é fácil. Perder uma pessoa animada como a Marina é pior ainda. Marina é a terceira ciclistas morta em São Paulo em menos de 15 dias:

Nesses atropelamentos, famílias que são destruídas. Para João e Marina, os últimos momentos foram solitários. Fico angustiado quando penso neles no chão, sozinhos. Um motorista (ou qualquer ser humano) que abandone uma pessoa que acabou de machucar é um covarde.

Todos os dias ciclistas ouvem insultos e levam finas de motoristas imprudentes e irresponsáveis como esses. Infelizmente muitos motoristas ainda acham que as ruas são para os carros (ou para quem tem um motor). Mas não são. As ruas são de todos: pedestres, ciclistas, motociclistas, patineteiros, skatistas, motoristas, passageiros… Nossa cidade precisa de ruas inclusivas, de ruas seguras, de ruas humanas.

A bicicleta não é apenas um hobby ou esporte, ela é também é um meio de transporte e uma ferramenta de transformação. Precisamos enxergar os ciclistas, assim como os pedestres, de forma prioritária. Não podemos nos contentar com o mínimo para os mais frágeis (como aquele farol de pedestres que abre por menos de 5 segundos para o pedestre atravessar ou aquela ciclofaixa que praticamente só tem sarjeta e bueiros). As ruas devem ser reformadas para atender as pessoas. Se isso vai diminuir espaço ‘dos carros’ nas ruas, que seja. Precisamos de calçadas e ciclovias largas e lisas, precisamos de travessias elevadas (“lombofaixas”), precisamos de ilhas de pedestres, precisamos de calçadas ampliadas nas esquinas. Precisamos de fiscalização nas ruas. Precisamos transformar nossa cidade para que ela seja ocupada por pessoas, e não motores.

No próximo domingo, 15/11, teremos eleições para prefeito e vereador. Você sabe se o seu candidato defende a implantação de mais ciclovias e ciclofaixas? Não importa o partido e a orientação política, a bicicleta é apartidária. Fazer ciclovias, calçadas, fiscalizar e punir motoristas infratores… Tudo isso melhora a segurança e a qualidade de vida de todos nós. Então vote em um candidato que apoia uma cidade mais humana e mais sustentável. Com certeza Marina iria votar em um candidato/a que defendesse uma cidade mais inclusiva. Ela acreditava na mudança e na humanidade.

Assim como Julie e Igor, Marina é mais uma amiga que se vai. Morta pela violência do trânsito. Tirada de nós subitamente, sem um último abraço ou beijo. Com uma despedida fria e dolorosa. Mas que a dor se transforme em luta. Pois é o que cada um deles faria: continuaria lutando por todos nós.

Marina, Julie, Igor, Lucas e João Xavier. Que esses nomes não sejam esquecidos e que vocês não se tornem dados frios numa planilha ou apresentação da Prefeitura ou Governo. Vocês são nossas estrelas, que nos guiarão nas lutas que virão.

Como diz nosso amigo Alex Gomes, no Estadão: “Por você, Marina, continuaremos lutando pelas coisas bonitas dessa vida, como ver mais gente ocupando a cidade com música e gargalhadas. Queremos ruas que acolham tanto quem caminha a passos rápidos, como quem precisa de bengalas ou quem engatinha.

Nunca te esqueceremos Marina, e por sua história pedalaremos ainda mais.

Homenagem deixada na via onde Marina foi atropelada. (Paulo Alves/BZS)
Homenagem próxima do local onde Marina foi morta. (Paulo Alves/BZS)
Ciclistas próximos ao local do atropelamento. (Thomas Wang/BZS)

#NaoFoiAcidente #BastaDeMortesNoTransito #JusticaPorMarina #MarinaPresente

(Equipe Bike Zona Sul: Carla Moraes, Kristofer Willy, Marivaldo Lopes, Lucian De Paula, Paulo Alves, Taiana Dutra e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe




Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s